HIPNOSE E UFOLOGIA

   Com o crescente número de casos ufológicos investigados e confirmados como verídicos, reais, pois o indivíduo sob hipnose faz declarações, quero dar aqui uma contribuição aos pesquisadores, alertando que o que vem sendo feito, em muitos casos, está propiciando o aumento da complexidade da pesquisa ufológica.

   Estão colocando aspectos da imaginação humana à frente do fenômeno. Isso leva ao erro ou cria mitos que através  da hipnose começam a arregimentar discípulos que distorcem a realidade a sua volta, levando pessoas ao suicídio coletivo como temos visto na mídia nos últimos tempos.

  Somos seres complexos e a atual ciência médica com os últimos estudos nas áreas da psicologia, psiquiatria e mais recentemente, a neuropsiquiatria, vem apresentando novas e importantes descobertas na área da mente humana, com a ajuda de um arsenal tecnológico que possibilita investigarmos a mente humana com aparelhos de última geração e medir, mensurar, o tipo de distúrbio que o cérebro do indivíduo vem apresentando.

   Temos hoje modernos eletroencefalógrafos, mapeamento cerebral, scaneamento cerebral, ressonância magnética , que nos possibilitam com pequenas chances de erro, saber o tipo de distúrbio que a mente humana vem apresentando.

   A década de 90 é conhecida no meio científico como a dos anos dos descobrimentos referentes a mente humana -"Década do Cérebro".  A identificação dos neuro hormônios como os controladores do nosso humor e bem estar abriram uma nova e importante forma de tratamento da mente humana com drogas que podem controlar estados alterados, desde a depressão até quadros graves de histeria e pânico, sendo até proposto de uma vez por todas o fechamento dos manicômios onde esses doentes eram simplesmente descartados .

   A prática do hipnotismo é uma técnica terapêutica anterior ao conhecimento atual usada por toda a antiguidade.Existem provas que egípcios, assírios, babilônicos, romanos, astecas e os maias, já utilizavam a hipnose para tratar doentes. No Egito existiam os "Templos dos Sonhos", onde aplicavam aos "pacientes" sugestões terapêuticas enquanto dormiam.

   Um papiro de 3.000 anos contém instruções técnicas de hipnotização, muito semelhantes aos que encontramos nos métodos contemporâneos. Inúmeras gravuras daquela época mostram sarcerdotes-médicos, colocando em transe hipnótico presumíveis pacientes. Os gregos realizavam peregrinações a Epidaurus, onde estava localizado o templo do deus da medicina, Esculápio. Ali, os peregrinos eram submetidos a hipnose pelos sacerdotes, que invocavam alucinatdamente a presença de sua divindade, a indicar os possíveis métodos de cura.

   As sacerdotisas de Ísis, postas em estado de transe manifestavam o dom da clarividência; hipnotizadas, revelavam ao faraó fatos distantes ou fatos ainda à ocorrer. Também os oráculos e as sibilas articulavam suas profecias sob o efeito do transe auto-hipnótico. Na hipnose, o hipnotizado sucumbe à sua própria vontade, que se confunde ou entra em choque com a idéia ou a imaginação do hipnotizador. Assim, a monotonia que é um dos fatores técnicos mais decisivos na indução hipnótica, para produzir efeito tem que se basear na reciprocidade. A monotonia externa,ou seja a monotonia do hipnotizador,tem de refletir, de certo modo, a monotonia do paciente.

   O paciente, sem se dar conta do fato, projeta sobre a pessoa do hipnotizador, os efeitos hipnóticos de sua própria monotonia, assim como projeta sobre o mesmo seus próprios desejos de fazer milagres, ser especial, fantasias e sonhos interiores. Pelo lado psicológico, a hipnose é explicada, entre outras coisas, como um fenômeno de projeção.

   Contrariamente ao que ensinam os livros populares, a  fé inabalável no hipnotismo, e a vontade forte não constituem os atributos fundamentais e diretos do hipnotizador, mas sim do paciente. A experiência mostra que os melhores pacientes são precisamente os tipos impulsivos, os voluntariosos, em suma, as pessoas de muita vontade ou vontade forte.

   No Dictionary of Psycology, de Warren, a definição da hipnóse e a seguinte :

   " Hipnóse é um estado artificialmente induzido, às vezes semelhantes ao sono, porém distinto do mesmo, tendente a aguçar a sugestibilidade, acarretando modificações sensoriais e motoras, aém de alterações de memória".

Um estado tendente a aguçar a sugestibilidade

   Podemos dizer que a hipnose é antes de mais nada, do princípio ao fim, sugestão. Atualmente, os estágios hipnóticos são divididos em cinco : Insuscetivel, Hipnoidal, Transe Ligeiro, Transe Médio e Transe profundo (estado ssonambúlico).

1-Insuscetível - não apresenta características hipnóticas de espécie alguma. 2- Hipnoidal - apresenta relaxamento muscular, expressão de cansaço e freqüentemente ,um tremor nas pálpebras e contrações espasmódicas nos cantos da boca. 3-Transe Ligeiro - sente os membros pesados e o corpo todo. Apresenta um alheiamento, embora conserve ainda plena consciência de tudo que se passa ao redor.Pode apresentar rigidez cataléptica em olhos e membros. Demosntra pouca inclinação a falar;tem tendência a responder as perguntas com movimentos da cabeça ou a mão. Já não quer mover-se ou mudar de posição, a respiração é mais lenta e mais profunda. Oferece nesse estágio obediência à sugestões mais simples e ainda resistência às mais complicadas. 4- Transe Médio -ainda pode conservar alguma consciência, mas agora que podemos dizer que esta hipnotizado não oferece resistência as sugestões salvo aquelas contra o seu  código moral,ou interesses vitais.

   Nessa altura acontece a catalepsia completa dos membros e do corpo, amnéia parcial, alucinações motoras, alucinações positivas e negativas dos sentidos, a completa inibição muscular. Nesse estágio já se consegue analgesia e pode ser feitas pequenas cirurgias. 5- Transe Profundo - este é o verdadeiro estado hipnótico. Agora o paciente aceita sugestões pós hipnótica mais bizarras. Possibilita poder mandar abrir os olhos sem prejudicar o transe. Os olhos abertos apresentam uma expressão impressionantemente fixa, estando as pupilas dilatadas visivelmente. Pode-se neste estágio assumir as funções orgânicas como no ritmo cardíaco, pressão arterial. Agora sim, faz-se a regressão de memória.

   Normalmente, a indução ao transe profundo exige de 30 minutos a uma hora de trabalho ininterrupto.

Sinais de Hipnose

   Dentre os sinais físicos de hipnose, o  mais digno de confiança é a anestesia,ou seja,a ausência do sentido do tato. Pica-se a mão do "sujet" sem aviso prévio e sem sugestão de espécie alguma. A ausência de reação indica transe médio ou profundo. Outro teste consiste em levantar o braço do "sujet" e deixá-lo erguido. Se o braço permanecer erguido é sinal de que há hipnose. Esse teste não oferece a mesma margem de segurança que o anterior. O "suget" não se mostra inclinado a falar, e sim a responder as perguntas positiva ou negativamente, com a cabeça ou mão. Tem uma ausência de iniciativa e espontaneidade. Não tosse, não muda de posição, mantém-se sério, resiste impassível à gargalhadas e ruídos sem se deixar contagiar.

   As mudanças fisiológicas como baixa da pulsação, quedas da pressão arterial. É comum ao iniciar o transe haver uma vaso-constrição e a seguir uma vaso-dilatação que se prorrogará ate o momento de se acordar, ou seja ,no começo a pressão pode subir um pouco e a medida que o transe evolui começa a cair. Há também mudanças na temperatura periférica de mãos e pés ficando as mesmas frias, conservando-se assim enquanto durar o transe. Para facilitar ainda mais a compreensão menciono a escala de avaliação de transe de: Lecron - Bordeaux

Insuscetível - ausência de toda e qualquer reação hipnoidal, relaxamento físico, aparente sonolência, tremor das pálpebras, fechamento dos olhos, relaxamento mental e parcial,  membros pesados, catalepsia ocular, catalepsia parcial dos membros. Inibição de pequenos grupos musculares,r espiração mais lenta, lassidão acentuada; pouca vontade de falar, pensar, agir, sensação de peso no corpo e sensação de alheamento parcial.

Transe médio -  O paciente reconhece estar em transe e sente, embora não o descreva .Inibição muscular ccompleta, amnésia parcial, ilusões cinestésicas. ilusões de gosto, alucinações olfativas, catalepsia geral dos membros e do corpo inteiro.

Transe Profundo - O paciente pode abrir os olhos sem alterar o transe. Olhar fixo e pupilas dilatadas, sonambulismo amnésia completa, anestesia completa, movimentos descontrolados do globo, sensação de leveza, estar flutuando, alheamento, rRigidez e inibição nos movimentos .

Transe Pleno -  Diminuição do pulso, regressao de memória, alucinações visuais auditivas. A partir desses parâmetros clínicos poderemos dar credibilidade a hipnose devendo a mesma ser repetida, em algumas sessões, para que ai sim termos realmente informações com sustentação da verdade.

   Usamos também aparelhos para demonstrar esses estados com segurança absoluta da veracidade dos mesmos. Pela dificuldade ou custo, no mínimo os parâmetros clínicos devem ser observados, afim de realmente obtermos algo mais próximo da verdade, do contrário vamos ter inúmares distorções, confundindo estados psicóticos, stress, ansiedades familiares sendo transformados em contatados e divulgados por ufólogos, com saciedade de casos. Não tendo um critério científico em suas pesquisas, aumentam ainda mais os casos dúbios da ufologia.

   Temos distúrbios como a Síndrome da Falsa Memória, que pessoas, estressadas pela vida cotidiana, passam a criar inverdades e acreditar nelas de uma forma tal que convencem a todos. Casos de estupros familiares efetuados pelo pai,tio, padrasto, irmão etc, são muito mais fáceis de serem aceitos se a mente tirar a pessoa da família e colocar a imagem de um extraterrestre que a abduzia e a molestava.

   Vários casos americanos, quando voltaram a serem investigados por profissionais competentes e não por  curiosos, sem preparo técnico científico (entre aspas alguns ufologos), na ânsia de ter casos pesquisados induziam ainda mais a pessoa, segundo as suas próprias crenças e cconvicções, a crer na abdução, levando ao que identificamos como Síndrome da Falsa Memória.

   Algo muito similar ocorre com a Síndroma do Feto Desaparecido, onde as pressões sociais e familiares levam a mulher, que hoje compete lado a lado com o homem pelo mercado de trabalho, levar a quadros de tensão, stress e alterações, que aumentam os hormônios. Eles inibem a fertilidade como a prolactina, e por mais que a mesma queira engravidar, ela não apresenta condições hormonais para isso o que gera atrasos menstruais a serem abortos, e em casos mais graves, auxiliados por filmes de TV, leitura de ficção científica, ufólogos contatados, a acreditarem que tiveram seus fetos roubados por Ets.

   Iso é algo muito sério que vem ocorrendo, pois não há um único caso comprovado, pesquisado, de roubo de fetos por seres do espaço.Mas, nos meios ufológicos  existem vários creditados como reais. Temos erros de interpretação, como fotos divulgadas de múmias de Ets pequenos. Fotos de bebês com sindromes dismorfogenéticas, pouco conhecidos do público comum podem certamente levar à graves erros de interpretação, com prejuízo da verdadeira pesquisa ufológica.

   Finalizando, deixo um alerta no sentido de que os grupos de ufologia devam ser assessorados por profissionais de várias áreas como astronomia, geologia, espelhologia e médicos, que estudem a área da mente humana , afim de contribuirmos para uma pesquisa mais séria e completa, para darmos à ufologia o respeito e seriedade que ela merece.

Dr. Luciano Stancka e Silva, Médico



Outros Artigos

Astaxantina: alguns a chamam de o melhor antioxidante do mundo – protege os olhos, o cérebro e previ

Astaxantina: alguns a chamam de o melhor antioxidante do mundo – protege os olhos, o cérebro e previne as rugas

Ler mais

Magnésio Tipos de...

Tipos de mágnésio

Ler mais

KEFIR Os Inúmeros Benefícios do Probiótico

Os Inúmeros Benefícios do Probiótico Kefir    

Ler mais

SiliciuMax

SiliciuMax®

Ler mais

Vitaminas, sua falta, causam Depressão e Transtornos de Humor

Carências Nutricionais que Causam Depressão e Transtornos de Humor  

Ler mais

Vitamina D e depressão

A deficiência de vitamina D e a depressão  

Ler mais