Aspirina preciso tomar ?

Efeito da aspirina na sobrevida livre de incapacidades em idosos saudáveis

 

As informações sobre o uso de aspirina para aumentar o tempo de vida saudável e de forma independente em pessoas idosas são limitadas. Ainda não está claro se o uso diário de aspirina em baixas doses, por 5 anos, aumentaria a vida livre de incapacidade em idosos saudáveis.

Um estudo publicado pelo The New England Journal of Medicine (NEJM) avaliou esta relação entre aspirina e sobrevida1 livre de incapacidades, de 2010 a 2014. Foram matriculadas pessoas da comunidade, na Austrália e nos Estados Unidos, que tinham 70 anos de idade ou mais (ou 65 anos de idade entre negros e hispânicos nos Estados Unidos) e não tinham doença cardiovascular, demência2 ou deficiência física.

Os participantes foram aleatoriamente designados para receber 100 mg por dia de aspirina com revestimento entérico ou placebo3 por via oral. O desfecho primário foi um composto de morte, demência2 ou incapacidade física persistente. Os pontos finais secundários relatados no artigo incluíam os componentes individuais do desfecho primário e hemorragia4 grave.

Um total de 19.114 pessoas, com idade média de 74 anos, foram inscritas, das quais 9.525 foram aleatoriamente designadas para receber aspirina e 9.589 para receber placebo3. Um total de 56,4% dos participantes eram mulheres, 8,7% não brancos e 11% relataram uso anterior regular de aspirina. O acompanhamento médio foi de 4,7 anos após a determinação de que não haveria benefício com o uso continuado de aspirina em relação ao desfecho primário.

A taxa do composto de morte, demência2 ou incapacidade física persistente foi de 21,5 eventos por 1.000 pessoas-ano no grupo aspirina e 21,2 por 1.000 pessoas-ano no grupo placebo3 (razão de risco 1,01; intervalo de confiança [IC] de 95% de 0,92 a 1,11, P = 0,79). A taxa de adesão à intervenção atribuída foi de 62,1% no grupo aspirina e 64,1% no grupo placebo3 no último ano de participação no estudo.

As diferenças entre o grupo aspirina e o grupo placebo3 não foram substanciais em relação aos desfechos secundários individuais de morte por qualquer causa (12,7 eventos por 1.000 pessoas-ano no grupo aspirina e 11,1 eventos por 1.000 pessoas-ano no grupo placebo3), demência2 ou incapacidade física persistente. A taxa de hemorragia4 grave foi maior no grupo aspirina do que no grupo placebo3 (3,8% vs 2,8%; hazard ratio de 1,38; IC 95% de 1,18 a 1,62; P<0,001).

O uso de aspirina em idosos saudáveis não prolongou a sobrevida1 livre de incapacidades por um período de cinco anos, mas levou a uma taxa mais alta de hemorragia4 grave do que o uso de placebo3.



Outros Artigos

Omega 3 e Ansiedade

Ácidos graxos ômega-3 alteram gravidade dos sintomas de ansiedade, publicado pelo JAMA Psychiatry quinta-feira, 20 de setembro de 2018

Ler mais

Sucupira Cuidado

Ler mais

Dieta de Atkins

Dieta Atkins - como fazer e alimentos permitidos

Ler mais

Dieta Low Carb

Como fazer a Dieta Low Carb

Ler mais

Minerais e sua importancia

MINERAIS QUELATOS MINERAL DE ALTA ABSORÇÃO     Também chamados de minerais orgânicos, minerais quelatados ou mineral amino&

Ler mais

Zinco e imunidade

Efeito do zinco aminoácido quelato e sulfato de zinco na incidência de infecção respiratória e diarreia em

Ler mais