Risco para fumantes passivos é o dobro que se pensava

Risco para fumantes passivos é o dobro que se pensava
 
 

    Os riscos do fumo passivo podem ser duas vezes maiores do que se pensava, de acordo com pesquisadores dos hospitais londrinos St George Medical School e Royal Free Hospital. Um estudo publicado na revista British Medical Journal diz que o risco de doenças coronárias para fumantes passivos é entre 50% e 60% maior do que para quem não tem contato com a fumaça de cigarro.

   O estudo envolveu 4.792 homens com mais de 20 anos. Pesquisas anteriores apontavam para um aumento de 20% a 30% do risco, para pessoas que vivem com fumantes. A diferença é que o estudo realizado agora leva em consideração a exposição no trabalho e em outros lugares. Demonstra que os riscos do fumo passivo podem ter sido subestimados.

   Proibição: Durante a conferência da Associação Médica Britânica, os médicos pediram uma proibição total do fumo nos locais de trabalho. Para pressionar pela proibição, eles fizeram um abaixo-assinado original, em forma de uma receita gigante assinada pelos médicos presentes. Peter Whincup, do Hospital St George, chefiou a equipe que examinou a ligação entre a nicotina, uma substância que se deposita no sangue e demonstra a exposição à fumaça de cigarro, e o risco de doenças coronárias e derrames.

   O estudo foi realizado em um período de 20 anos, com mais de 4 mil homens com idades entre 40 e 59 anos, em 18 diferentes cidades da Grã-Bretanha. A conclusão foi que os homens que apresentavam maiores níveis de nicotina no sangue, portanto mais expostos ao fumo, tinham o maior risco de desenvolver doenças do coração.

   Curto prazo: Níveis altos de nicotina aumentaram o risco entre 50% e 60%, e eram maiores quando analisados no curto prazo. Isto sugere que a ligação entre a nicotina e as doenças de coração diminui com o tempo. Mas não foram encontradas ligações entre o nível de nicotina e o risco de derrame. "O verdadeiro efeito do fumo passivo pode ser sido subestimado por concentrar-se na exposição à fumaça do cigarro do parceiro", afirma o professor Whincup. "O que examinamos foi a exposição total do fumo passivo. Os efeitos são provavelmente maiores e reforçam o caso para minimizar por lei, a exposição dos não-fumantes", concluiu.

   Ação: Para Ian Willmore, diretor de comunicação da Action on Smoking and Health, "já está na hora da indústria do cigarro parar de fingir que o fumo passivo é inofensivo". Mas o Grupo Forest, que defende os direitos dos fumantes na Grã-Bretanha, afirma que o caso para a proibição não está tão claro. De acordo com um porta-voz do grupo, "este novo estudo tem que ser colocado em perspectiva". Esta é uma pesquisa em cem, e a vasta maioria não encontrou conexões entre o fumo passivo e males à saúde. E a ligação encontrada é muito pequena para ser significativa".

   Para a Associação dos Fabricantes de Cigarro, "ainda há desacordo na ciência sobre os efeitos nocivos do fumo passivo. No ano passado, a mesma Associação Médica Britânica disse que os riscos tinham sido superestimados. Agora este estudo diz que foram subestimados".

Fonte: BBCBrasil.com

 
   



Outros Artigos

Astaxantina: alguns a chamam de o melhor antioxidante do mundo – protege os olhos, o cérebro e previ

Astaxantina: alguns a chamam de o melhor antioxidante do mundo – protege os olhos, o cérebro e previne as rugas

Ler mais

Magnésio Tipos de...

Tipos de mágnésio

Ler mais

KEFIR Os Inúmeros Benefícios do Probiótico

Os Inúmeros Benefícios do Probiótico Kefir    

Ler mais

SiliciuMax

SiliciuMax®

Ler mais

Vitaminas, sua falta, causam Depressão e Transtornos de Humor

Carências Nutricionais que Causam Depressão e Transtornos de Humor  

Ler mais

Vitamina D e depressão

A deficiência de vitamina D e a depressão  

Ler mais