Óleo De Coco Faz Mal À Saúde? Entenda A Polêmica

Óleo De Coco Faz Mal À Saúde? Entenda A Polêmica

 
 
Voltou a circular nas redes sociais um posicionamento sobre o óleo de coco da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM) e a Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica (ABESO). Na nota, os grupos se posicionam conta o uso do produto para dietas de emagrecimento e o uso regular como óleo de cozinha. Eles afirmam que não há evidência de que o óleo de coco ajuda a perda de peso e que ele é rico em gorduras saturadas e pró-inflamatórias.
 
 
Então, é hora de jogar o óleo de coco fora?
 
O posicionamento da SBEM e ABESO não é solitário. Pelo contrário: o óleo de coco foi resgatado da lista de produtos não-saudáveis há poucos anos. Por muito tempo, ele foi tratado como vilão por especialistas de saúde e alguns deles permanecem com a mesma opinião. Nadando contra a maré, muitos profissionais são a favor do uso do óleo em dietas equilibradas e algumas universidades vêm comprovando benefícios do produto para a saúde. 
 
Vamos por partes. Primeiro, alguns argumentos dos que são contra:
 
“...não há qualquer evidência nem mecanismo fisiológico de que o óleo de coco leve à perda de peso (...) o óleo de coco pode ser deletério para os pacientes devido à sua elevada concentração de ácidos graxos saturados, como ácido láurico e mirístico” (nota da SBEM e ABESO).
 
 
“Ele não traz nenhum benefício, pelo contrário. É rico em gordura saturada, aumenta o colesterol e a inflamação no tecido adiposo. Quem usa óleo de coco para emagrecer, na verdade está fazendo o contrário” (Ana Maria Lottenberg, nutricionista e doutora em ciência dos alimentos pela USP, em entrevista ao Bem Estar, da TV Globo)*
 
 
“Não existe comprovação científica de que o óleo de coco emagreça ou traga esses benefícios prometidos. Muito pelo contrário, ele nada mais é do que gordura saturada, que aumenta muito os níveis de colesterol ruim no organismo, provoca aumento do nível de triglicerídeos, sobrepeso e pode trazer problemas cardiovasculares e sobrecarga hepática a quem ingerir em altas quantidades” (Rosana Radominski, presidente do departamento de Obesidade da SBEM, em entrevista ao site Mulher)
 
 
Apesar de se contra, essas entidades e profissionais fazem ressalvas. Radominski, por exemplo, afirma que o óleo de coco pode ser bom para o tratamento de doenças, como alterações gastrointestinais. Ainda assim, eles defendem que é preferível o uso de outros óleos, como o de milho, de oliva e até o de canola, que vem sendo muito atacado por ser transgênico.
 
Agora, vamos aos que defendem os benefícios do óleo de coco extravirgem:
 
 
“Qualquer óleo, assim como qualquer comida consumida em excesso engorda e faz mal. Eu sou fã do óleo de coco pelas suas propriedades benéficas a saúde cardiovascular, neural, metabólica e imunológica. O óleo de coco já foi, e pelo visto ainda é crucificado por muitos profissionais da saúde pelo alto teor de gordura saturada que contém. Porém, é uma gordura saturada de ótima qualidade, rica em ácido láurico (excelente para o sistema imunológico com propriedades antivirais, antibióticas, e antifúngicas) e ácidos graxos de cadeia média (que ajudam na digestão e queima de gordura, na atividade do cérebro e a mudar o perfil do colesterol no sangue) (Bela Gil, culinarista e nutricionista pela pela Hunter College**, em sua página no Facebook)
 
 
O óleo de coco é um dos poucos alimentos que podem ser classificados como um "superalimento". Seus benefícios incluem perda de peso, melhor função cerebral, saúde da pele e muitos mais. (Kris Gunnars, médico responsável pelo site de nutrição mais acessado do mundo, Authority Nutrition)
 
 
Os dois fazem a ressalva de que o óleo de coco para consumo deve ser sempre o extravirgem e, mesmo assim, com moderação.
 
Neste vídeo, a culinarista dá sua opinião sobre o óleo de coco.
 
 
Algumas pesquisas acadêmicas também têm “ajudado” o óleo de coco:
 
 
 
  • Uma dieta com óleo de coco extravirgem aumenta o colesterol bom (HDL) e diminui a circunferência da cintura e a massa do corpo em pacientes com doença arterial coronária. (Universidade Federal do Rio de Janeiro, Brasil)
 
 
  • Há um efeito benéfico do óleo de coco extravirgem na redução dos níveis lipídicos no soro e nos tecidos e na diminuição da oxidação de LDL. (Universidade de Kerala, Índia)
 
 
  • O consumo de ácidos graxos de cadeia média [que estão presentes no óleo de coco] como parte de uma dieta de emagrecimento melhora a perda de peso em comparação com o azeite de oliva. (Universidade de Columbia e Centro de Pesquisa sobre Obesidade de Nova York, Estados Unidos)
 
 
  • Uma a duas colheres de chá de alimentos riscos em ácidos graxos de cadeia média por dia aumenta o gasto energético em 5%. (Universidade de Genebra, Suiça)
 
 
  • Ácidos graxos de cadeia média interage com hormônios de regulação e metabolização de gorduras, o que aumenta a sensação de saciedade. (Mc Gill University, Canadá)
 
Apesar das pesquisas mostrarem muitos benefícios do óleo de coco, um dos principais pesquisadores da área, o chefe do departamento de nutrição da Harvard School of Public Health, Walter C. Willett, afirma que ainda não se sabe muito sobre o efeito do consumo dele em doenças cardíacas. Por isso, indica o uso moderado do produto. 
 
 
O pesquisador e professor reconhece que o óleo de coco aumenta o colesterol bom (HDL), mas afirma que, provavelmente, ele não é a melhor escolha entre os óleos para reduzir o risco de doenças cardíacas. “Eu não acho que o óleo de coco é tão saudável quanto óleos vegetais como o óleo de oliva e o óleo de soja, que são principalmente gorduras insaturadas”.
 
À mesma conclusão chegaram pesquisadores que publicaram um estudo no Jornal Científico da Oxford University, no Reino Unido, no ano passado. Eles analisaram 21 trabalhos científicos sobre o tema e concluíram que, de acordo com as pesquisas analisadas, a substituição do óleo de coco por gorduras insaturadas ajudaria na redução de fatores de risco para doença cardiovascular.

Neste link aqui eu te mostro onde comprar o óleo de coco mais barato em Salvador
 
Mas o que podemos fazer diante disso?
 
Entre tantas opiniões e pesquisas, é fácil se perder mesmo. Então, o que sabemos é que há uma (quase) unânime opinião: o óleo de coco demanda moderação no consumo e ainda faltam pesquisas sobre os efeitos do produto. Vários profissionais e instituições estão realizando esses estudos, mas, até lá, é bom moderar mesmo! 
 
 
O mais importante, no entanto, é lembrar que nenhum produto tem superpoderes. Se quer emagrecer ou ser saudável, busque uma alimentação equilibrada. Não tem atalho! O óleo de coco até pode fazer parte dessa dieta – e o ideal é buscar um médico ou nutricionista para definir a quantidade e com que frequência ele deve entrar nessa alimentação – mas se ele não for acompanhado de um estilo de vida saudável, provavelmente não trará grandes benefícios.
 
* A nutricionista foi acusada de ser parcial na entrevista por supostamente ser contratada por uma produtora de óleo de canola, a Cargill, mas ela rebateu dizendo que apenas escreveu textos como consultora para o site da empresa em 2010 e 2011. A Cargill também negou que ela fosse funcionária da empresa.
 
 
** O diploma da apresentadora do canal GNT ainda não é reconhecido no Brasil. Ela é formada em Culinária Natural pelo Natural Gourmet Institute e em Nutrição e Ciência dos Alimentos pela universidade americana Hunter College.
 



Outros Artigos

Astaxantina: alguns a chamam de o melhor antioxidante do mundo – protege os olhos, o cérebro e previ

Astaxantina: alguns a chamam de o melhor antioxidante do mundo – protege os olhos, o cérebro e previne as rugas

Ler mais

Magnésio Tipos de...

Tipos de mágnésio

Ler mais

KEFIR Os Inúmeros Benefícios do Probiótico

Os Inúmeros Benefícios do Probiótico Kefir    

Ler mais

SiliciuMax

SiliciuMax®

Ler mais

Vitaminas, sua falta, causam Depressão e Transtornos de Humor

Carências Nutricionais que Causam Depressão e Transtornos de Humor  

Ler mais

Vitamina D e depressão

A deficiência de vitamina D e a depressão  

Ler mais