ADOLESCENTES OU ABORRECENTES?

    A adolescência não é necessariamente um período de tumulto ou caracterizada por flutuações do humor, confusão, rebeldia contra os pais e comportamento imprevisível. Os adolecentes normais são bem ajustados interagindo bem com os pais, professores e amigos. A maioria pode apresentar períodos ocasionais de instabilidade, mau humor, confusão e rebeldia. Característica principal da Adolescência

   O adolescente tem como característica principal as alterações súbitas tanto na taxa quanto no padrão de crescimento físico, as hormonais  nos padrões sexuais, aparecimento das caracteristicas sexuais secundárias, como a distribuição de gordura diferenciada dos meninos e meninas, os pêlos axilares e púbicos, crescimento de mamas, e o desenvolvimento do músculo esquelético. Ocorre então uma adaptação psicológica a estas múltiplas mudanças que produzem conflitos interiores .

Impulsos

   Uma série de impulsos agressivos e sexuais produzidos pelo aumento da produção hormonal são manifestados, com uma necessidade biológica de descarga da tensão sexual e obtenção da satisfação genital. Esses impulsos vão ser reconhecidos, entendidos, compreendidos e aceitos como uma parte integrante da estrutura de um relacionamento carinhoso e íntimo. Os impulsos agressivos também são aceitos e dominados, mas requerem um certo tempo. Por isso, não adianta repetir 100 vezes ao dia a mesma coisa. Isso não funciona com o adolescente e só aumenta o nivel de agressividade. De tempo ao tempo,que as coisas se ajustam praticamente sozinhas.

   A liderança é o instinto negativo sob as rédeas da razão. Não tente dominá-lo, pois isso pode destruir seu espírito de luta e garra. Ajude-o e até aprenda com ele, evoluam juntos.

Pensamento

   O adolescente tenta separar-se dos pais e estabelecer uma identidade autônoma.O foco de interação muda da família para os amigos (não pára em casa). A vulnerabilidade aumenta, a pressão exercida pelos amigos que pode chegar a ser anti-social, e aí está o perigo das más companhias e da indução aos vícios ( "Diga-me com quem andas, que lhe direi quem és"). C

Conduta da Familia

   A conduta familiar deve ser mais como um ego auxiliar, e não como um crítico acusador, ajudando o adolecente a pensar. Como eles agem impulsivamente, procure mostrar as consequências de suas ações, mas nunca de forma agressiva e acusadora e sim com histórias fictícias que lhes sirvam de carapuça, como "você soube que o filho de fulano se viciou e agora está internado porque não consegue se livrar do vício por mais que tentasse?".

   Nunca deixe sua casa ornar-se um ambiente pesado e de agressões, pois isso só servirá para afastá-lo cada vez mais. Tenha calma, bom senso. Não é por ser seu filho que ele tem que pensar e agir como você . Nós ja fomos adolescentes, e se pensarmos um pouco vamos ver que tomamos uma série de atitudes que criticávamos em nossos pais. Use sua inteligencia e vivência, lembrando que bater de frente ou tentar impor sua vontade é o erro que mais afasta o adolecente do convivio familiar.

   Procure manter sempre uma atitude de diálogo e amizade pois, se houver problemas, o adolescente saberá onde tem uma mão amiga para confortá-lo.

Dr. Luciano Stancka e Silva, Médico



Outros Artigos

Coenzima Q-10

Coenzima Q-10   Introdução: A Coenzima Q-10, também denominada Ubidecarenona, é uma benzoquinona presente em praticamente todas a

Ler mais

ILIB Laser... Irradiação sanguinea para a saúde

ILIB O que é ? Intravasculas Laser Irradiation of Blood ou ILIB &eacu

Ler mais

Hipnose Clinica

Hipnose Clinica Hipnose é um

Ler mais

Metformina como Preventivo de Doenças Degenerativas

Metformina HCL em Pentravan   Introdução: As doenças relacionadas ao envelhecimento estão entre as principais causas de morte em

Ler mais

A Aspirina é Perigosa e Não Deve ser Usada – Atenção! Aumenta o Risco de Cancer

A Aspirina é Perigosa e Não Deve ser Usada – Atenção! Aumenta o Risco de Cancer (Notí

Ler mais

Ovários Policísticos: informação para combater medicalização!

Ovários Policísticos: informação para combater medicalização! Eu: “como posso te ajudar?” Mulh

Ler mais