Morrer de desgosto' tem fundamento biológico

'Morrer de desgosto' tem fundamento biológico
por Joel Rennó Jr.

Tanto o "reprimir" como o "explodir" de emoções são situações que podem trazer conseqüências orgânicas indesejáveis

A crença popular de que "devemos colocar tudo para fora", também pode trazer muitos prejuízos às pessoas, pois, o que realmente conta para a mente, são os mecanismos de elaboração para vivenciar as dores e as dificuldades que possuímos

'Morrer de desgosto' não é uma expressão sem fundamento biológico. A depressão que surge pelo desaparecimento de um ente querido, quando chega a limites extremos, leva o corpo a se machucar sem avisar a consciência.

Há estudos mostrando que 75% das pessoas adultas e sadias sofrem de algum tipo de dor ou de mal-estar num prazo (período) de uma semana. Isso quer dizer que em condições normais o ser humano costuma apresentar alguma queixa sobre si mesmo e isso não se constitui em nenhum transtorno psiquiátrico. Entretanto, devemos pensar num diagnóstico de somatização, apenas quando a pessoa que se queixa, acredita sofrer de um problema orgânico e busca diagnóstico e tratamento médico persistentemente. 

As "idéias negras" atingem o hipotálamo, que estimula os fatores liberadores de cortisona. Este, por sua vez, pode diminuir nossas dores, porém, pode dilatar os vasos e destruir o sistema imunológico, abrindo as portas para úlcera, pneumonia, etc... Não seria exagero afirmar que um indivíduo pode desenvolver uma gastrite por ter um problema no serviço, mesmo levando-se em conta tantos outros fatores orgânicos, como hábitos alimentares e a presença da bactéria helicobacter pylori.

As doenças psicossomáticas são resultado de má adaptação e podem afetar qualquer órgão ou sistema do corpo humano. Já se sabe que algumas patologias têm altos componentes emocionais envolvidos, tais como: as úlceras de estômago, as crises hemorroidárias, a pressão alta, as inflamações intestinais, as alterações dermatológicas, as artrites, as alergias, os problemas da tireóide e os sexuais.

Tudo isso depende da intensidade do "stress", da duração e da repetição. Dependerá ainda da bagagem hereditária, biológica, cultural e, finalmente, da sua maneira de lidar com o stress ou canalizar sua angústia.

Qualquer reação face a um choque emotivo para muitos, como a perda de um ente querido, uma crise conjugal, pode acarretar em um sistema imunológico falho e representar a porta de entrada para que a doença se instale.

Todas estas emoções são geradoras de doenças qualificadas de funcionais, como por exemplo: obstipação intestinal, enxaquecas e outros.

A baixa qualidade de vida pode trazer problemas com ou sem lesões orgânicas. A cada situação de stress ou agressão física ou psíquica sofrida pelo meio, o corpo responde com reações químicas: elevação da freqüência cardíaca, pressão arterial e alterações hormonais.

Atualmente, a qualidade de vida das pessoas caiu muito. Todos passam por problemas conjugais, com filhos, com chefes, a vida econômica do país é preocupante, a violência cresce a cada segundo, e a procura por auxílio de psicólogos e psiquiatras aumenta, na medida em que as pessoas se sentem cada vez mais só com seus problemas.

A educação, a moral, a polidez e as convenções sociais acabam por muitas vezes obstruindo a cólera (ira, raiva). Muitas vezes deixamos de falar o que sentimos mantendo a fantasia (irreal) de estar poupando o outro. Tudo isso é muito natural e acontece com todos nós, porém, fica problemático quando este padrão se trona crônico. Pois o que era tido como um mecanismo de defesa, se volta contra nós, iniciando um processo de auto-destruição. É como acelerar um carro com os freios bloqueados.

Toda a carga afetiva acaba sendo colocada para fora, sob forma de somatização. Na busca por alívio, esta é a saída que a mente encontra.

Reprimir e explodir emoções traz conseqüências orgânicas indesejáveis

Gostaria de deixar claro que tanto o "reprimir" como o "explodir" de emoções são situações que podem trazer conseqüências orgânicas indesejáveis. A crença popular de que "devemos colocar tudo para fora", também pode trazer muitos prejuízos às pessoas, pois, o que realmente conta para a mente, são os mecanismos de elaboração para vivenciar as dores e as dificuldades que possuímos.

É necessário que tomemos consciência de nossas próprias histórias, da nossa compreensão de mundo, do que nos agrada ou não e descobrirmos quais os recursos estão guardados em nós para lidar com estas situações. É importante desenvolvermos um processo mental capaz de unir o pensamento e o afeto.

Atualmente tenho recebido um grande número de clientes em meu consultório, que precisam de um suporte afetivo e emocional para aliviar suas ansiedades.

Os atendimentos psicoterápicos têm sido de grande auxílio, pois através da informação, do entendimento, da disponibilidade e interpretação, é possível aliviar as ansiedades e angústias geradoras de doenças orgânicas. As medicações, quando bem indicadas e acompanhadas, são recursos complementares importantes.

 



Outros Artigos

Som Bineural Arrastamento de Ondas Cerebrais Sons Puros

Esse aasunto é de extrema importancia e deve ser  USADO , PRATICADO , TODOS OS DIAS ...

Ler mais

Sons Bineurais Equilibre sua Mente , Ajude seu tratamento ... Sons Especiais

Ouvir música é uma experi&eci

Ler mais

Consulta médica Vs Exames e Laboratório

Ler mais

Oxigenoterapia + ILIB +Ozonioterapia Auricular = Saúde Força e Equilibrio

Oxigenoterapia + ILIB +Ozonioterapia Auricular =  Saúde Força e Equilibrio Existem várias variações para a aplicação

Ler mais

Suplemento de cálcio aumenta risco de ataque cardíaco, diz estudo.

Suplemento de cálcio aumenta risco de ataque cardíaco, diz estudo.

Ler mais

Terapia de Modulação Hormonal

Terapia de Modulação Hormonal Hormô

Ler mais