Coma menos para viver mais

Coma menos para viver mais

Quer viver mais? Coma menos. É simples assim. O conceito, fruto de dezenas de pesquisas, já foi incorporado às terapias antienvelhecimento, mas na forma de extratos naturais que simulam os efeitos da restrição calórica no organismo. O próximo passo da indústria, agora, é chegar a uma pílula, para que as pessoas tenham os benefícios da restrição, sem deixar de comer.

O médico ortomolecular Tsutomu Higashi, de Londrina, afirma que o conceito não é novo - ´´há 2 mil anos a medicina chinesa já falava disso, para não comer até o estômago ficar cheio´´. Hoje, pesquisas mostram o que acontece, de fato, no corpo diminuindo a ingestão de comida.

Um dos estudos, cita ele, feito na Universidade de Wisconsin (EUA), mostra o efeito em macacos depois de dez anos de restrição alimentar. Em um dos grupos da pesquisa, encerrada em 2009, a alimentação foi reduzida em 40%, e, no outro, foi livre. Nos dois, não houve preocupação com qualidade.

´´Naqueles que não tiveram restrição, todos ficaram diabéticos, apresentaram algum tipo de doença degenerativa severa e 50% morreu. No grupo que teve a restrição, não houve nenhum caso de diabetes, 30% apresentou doenças degenerativas e 20% morreu´´, aponta Higashi. ´´A conclusão é que comendo pouco, a longevidade é maior, e dá para extrapolar isso para os humanos´´, afirma o endocrinologista Leonardo Higashi.

Outra linha de pesquisa, contam os médicos, descobriu um gene e uma enzima do organismo ativados pela restrição calórica. ´´A restrição mobiliza o gene Sirt 1 e uma enzima chamada acetilase, que atua no ciclo da célula, fazendo com que não haja muita apoptose, morte celular. Além disso, equilibra o sistema imunológico, o metabolismo de insulina e açúcar e a parte inflamatória´´, explica Higashi. Toda essa mudança causada pela restrição foi chamada de hormesis.

Mas, mesmo com benefícios, quem quer reduzir em 40% a alimentação? Foi com a premissa de que as pessoas não estão interessadas em diminuir a quantidade de alimentos que o pesquisador americano David Sinclair foi atrás de moléculas que bioquimicamente poderiam ter o mesmo efeito. E descobriu. Segundos os Higashi, 15 moléculas mimetizadoras da restrição calórica, todas provenientes de plantas, já foram descritas. As mais comuns são o resveratrol, presente na uva, o extrato de chá preto, o mirtilo ou blueberry e a quercetina, presente na maçã.

Todos esses extratos - afinal, não adianta comer quilos e quilos de maçã - já são usados na medicina ortomolecular como mais uma forma de abordagem do tratamento antienvelhecimento ou ´anti-aging´. Mas é preciso lembrar que não há milagres: ´´nada tem mais benefício que uma alimentação saudável aliada à atividade física´´, diz Leonardo. E, mesmo com a indústria investindo para criar uma pílula que ofereça os mesmos benefícios da restrição calórica, sempre resta a opção - por que não? - de comer menos.
Fonte: FOLHA DE LONDRINA – PR



Outros Artigos

Som Bineural Arrastamento de Ondas Cerebrais Sons Puros

Esse aasunto é de extrema importancia e deve ser  USADO , PRATICADO , TODOS OS DIAS ...

Ler mais

Sons Bineurais Equilibre sua Mente , Ajude seu tratamento ... Sons Especiais

Ouvir música é uma experi&eci

Ler mais

Consulta médica Vs Exames e Laboratório

Ler mais

Oxigenoterapia + ILIB +Ozonioterapia Auricular = Saúde Força e Equilibrio

Oxigenoterapia + ILIB +Ozonioterapia Auricular =  Saúde Força e Equilibrio Existem várias variações para a aplicação

Ler mais

Suplemento de cálcio aumenta risco de ataque cardíaco, diz estudo.

Suplemento de cálcio aumenta risco de ataque cardíaco, diz estudo.

Ler mais

Terapia de Modulação Hormonal

Terapia de Modulação Hormonal Hormô

Ler mais