Sobre Vacina da Gripe

Influenza

Proteção da vacina contra gripe não é maior que 60%

Daniel Deheinzelin

Todos nós conhecemos alguém que tomou a vacina de gripe e ficou gripado. Isso acontece porque a vacina de gripe não é para gripe. Gripe é o nome dado a um conjunto de sintomas causados por diferentes vírus. Os mais comuns são febre, tosse, corrimento nasal e dores no corpo Entre os vírus da gripe que causam esses sintomas está o Influenza, que pode ser do tipo A ou B e ter diferentes sorotipos. O mais famoso é o H1N1.

 

A vacina contra a gripe é, na verdade, uma vacina contra o Influenza,  responsável por cerca de 16% dos casos da doença.  Mesmo assim, a ideia que se faz da vacina é que todos devemos tomá-la, se quisermos ficar protegidos. No entanto, é importante registrar que, segundo os melhores estudos sobre o assunto, mesmo considerando somente o Influenza, a eficácia da vacina não é maior do que 60%. Isso quer dizer que, em cada dez vacinados, quatro ainda terão um episódio da doença provocado por esse vírus. Como a vacina se baseia numa previsão de quais sorotipos do vírus Influenza atingirão a população naquele ano, dependendo do grau de acerto, é preciso vacinar entre 30 e 100 pessoas para conseguir evitar apenas um caso de infecção numa delas.

Então, por que todo esse alarde? A mortalidade por Influenza não é maior hoje do que foi no passado. Ao contrário, mesmo levando em conta a epidemia de H1N1 em 2009, a mortalidade caiu significativamente.

Diferente do que ocorreu com qualquer outro medicamento, os estudos que defenderam o uso da vacina não foram nem aleatórios, nem cegos. Isso quer dizer que a vacina não foi dada ao acaso na população e nem comparada com um placebo. Os estudos que validaram seu uso foram observacionais. Verificou-se que idosos vacinados utilizavam menos os serviços de saúde e morriam menos, quando comparados com os dados históricos da enfermidade. Não existe estudo controlado – isto é, com grupo que tomou a vacina comparado com grupo que recebeu placebo – que, de fato, comprove melhora na qualidade de vida ou redução da mortalidade em pacientes vacinados.

Curiosamente, um estudo canadense apontou redução da mortalidade em pacientes com pneumonia vacinados contra o Influenza, quando comparados com  os não vacinados. O problema desse estudo é que foi conduzido fora da época do ano em que ocorre a infecção pelo vírus. Com base nesse resultado, os autores concluíram tratar-se do “efeito do usuário saudável” (healthy-user effect). Isso significa que. na época da vacinação, é muito mais provável uma pessoa sadia ter recebido a vacina do que alguém doente.

Cabe lembrar, ainda, que a vacina  contra o influenza não é isenta de efeitos colaterais.  Na Austrália, a aplicação foi suspensa em crianças menores de cinco anos, pois uma em cada cem crianças teve convulsões por febre após recebê-la. Nos países nórdicos, foram registrados vários casos de narcolepsia (doença neurológica rara)  em adolescentes vacinados.

Se tudo que se afirma sobre a “vacina da gripe” fosse verdade, ela seria capaz de salvar mais vidas do que qualquer outro medicamento desenvolvido pelo homem. O que parece é que criamos um excesso de preocupação com uma doença que sempre existiu e, para a imensa maioria da população, não causa mais do que alguns poucos dias de desconforto.

Doshi P. Influenza: marketing vaccine by marketing disease. BMJ. 2013 May
16;346:f3037.



Outros Artigos

Som Bineural Arrastamento de Ondas Cerebrais Sons Puros

Esse aasunto é de extrema importancia e deve ser  USADO , PRATICADO , TODOS OS DIAS ...

Ler mais

Sons Bineurais Equilibre sua Mente , Ajude seu tratamento ... Sons Especiais

Ouvir música é uma experi&eci

Ler mais

Consulta médica Vs Exames e Laboratório

Ler mais

Oxigenoterapia + ILIB +Ozonioterapia Auricular = Saúde Força e Equilibrio

Oxigenoterapia + ILIB +Ozonioterapia Auricular =  Saúde Força e Equilibrio Existem várias variações para a aplicação

Ler mais

Suplemento de cálcio aumenta risco de ataque cardíaco, diz estudo.

Suplemento de cálcio aumenta risco de ataque cardíaco, diz estudo.

Ler mais

Terapia de Modulação Hormonal

Terapia de Modulação Hormonal Hormô

Ler mais